Use seus dons com eficiência. Sirva para edificar, tanto a si mesmo como aos outros. Que suas habilidades concorram para o propósito pelo qual o Espírito Santo o capacitou. Nunca as coloque a serviço dos caprichos de quem quer que seja. O que passar disso, pode virar doença e não prazer.

Use sua energia com objetividade. “Põe tudo o que és no mínimo que fazes”, como diria Fernando Pessoa. Nunca faça corpo mole, desde que esteja certo de que está envolvido no projeto certo. O que passar disso é desperdício na certa.

Use suas oportunidades com discernimento. Tenha maturidade para entender se é a chance da sua vida ou apenas um teste para o seu caráter. Nunca reclame que a vida é dura enquanto não aproveita aquilo que ela lhe oferece. O que passar disso, pode virar amargura e murmuração.

Use seu tempo com sabedoria. Aprenda a contar os seus dias, o quer dizer fazer com que sua vida valha a pena. Nunca diga que ainda tem muito pela frente, já que você nunca saberá qual será o seu último dia, até que ele chegue. O que passar disso, é ensaio para ficar doido.

Use a verdade como verdade. Sempre embalada pelo amor, sempre dita na hora certa, sempre temperada pela necessidade de dizer. Nunca a use para esnobar, expor ou humilhar alguém. O que passar disso pode até estar certo, mas não edifica.